sábado, 28 de outubro de 2017

SILVERIO PESSOA - CABEÇA ELETRICA CORAÇÃO ACUSTICO

Silvério Pessoa chegou ao mundo com a doçura do cheiro dos canaviais de Carpina, Zona da Mata Norte de Pernambuco, a 47 km do Recife. Dona Ivete, sua mãe, era professora de acordeon – daí por que dizem ter sido acolhido uterinamente pela musicalidade! Cantos e melodias estão na sua genética. As sensações que lhes traziam o forró e o maracatu rural despertaram um tantinho mais a vocação. E daquele menino nasceria o artista.

Antes, porém, Silvério seguiria o ofício de educador. Graduação e especialização sedimentariam a trajetória desse cidadão carpinense de olho no mundo, que, na metade dos anos 90, deixaria, de uma vez por todas, a música protagonizar os capítulos seguintes de sua história. mais à frente.

O Músico


De 1994 a 2000, um mergulho profundo no movimento Manguebeat, em seu auge. Com a banda Cascabulho, Silvério Pessoa gravou o CD Fome dá dor de Cabeça, revisitando a obra do paraibano Jackson do Pandeiro.

Dedicando-se aos vocais, começou a se aproximar da forma rítimica e sincopada do mestre, com quem multiplicaria os encontros mais à frente.

Nascido e criado no meio do povo, fez de seus trabalhos uma referência à linguagem, aos modos e costumes da gente pernambucana, seja da Mata Norte, Agreste ou Sertão. Mas é a alma nordestina quem lhe norteia. E inspirações não lhe faltam nunca pra misturar ciranda com baião, forró com maracatu, com referências e reverências a grandes artistas, como o alagoano Jacinto Silva e o seu coco de roda.

Mas quem esperar de Silvério um som ultrapassado, esqueça. É essencialmente contemporâneo. Ele dialoga com rock, pop, punk e intervenções eletrônicas. Um verdadeiro sincretismo musical de tudo o que ele vê e ouve por aí, acompanhando os 8 discos gravados desde o início da carreira solo.

Um voo nada solitário pelo planeta música.

Muito bom !!!!!!!
Se vc gostou adquiri o original, valorize a obra do artista.
Download
TERRA BRASILIS

ROLANDO BOLDRIN - LAMBENDO A COLHER - (EXCL. T.B)

Famoso pelos programas em que defendeu uma certa noção da cultura brasileira - vamos tirar o Brasil da gaveta! - Boldrin continua na ativa, sendo um repositório vivo dos causos e da música do Brasil profundo. Prova maior da sua atividade, é a capacidade que tem de se reinventar a partir do passado, soando inédito sem abrir mão de uma estética cujo interesse primeiro é aproximar e comunicar - como fazia o homem do campo, sem saber nada desse trem de estética. Lambendo a Colher, lançado pelo Selo Sesc em 2016, traz o artista comemorando seus 80 anos de vida, apresentando canções que, segundo o próprio, "tiveram um  efeito mágico" em sua trajetória.

Se vc gostou adquiri o original, valorize a obra do artista.
Download
TERRA BRASILIS

ARLENO FARIAS - RECEITA DE POESIA

Um dos mais virtuosos artistas populares brasileiros, Arleno Farias desce do alto do Brasil, São Rafael no Rio Grande do Norte. Cantor, compositor, letrista e instrumentista, Farias despontou para o País em 2004, com o disco e show batizados com o mesmo nome: “ForróMPB”. Arleno Farias extrai de sua viola percussiva com cordas de violão batidas de zabumba, bateria e tambores, além de reproduzir com a própria voz os instrumentos de sopro. Arleno Farias tem na herança paterna (é filho do repentista Arnaldo Farias) a grande inspiração para a arte popular. Uma característica marcante do artista é a mistura dos ritmos de raízes nordestinas (xaxado, baião, xote, maracatu, coco de roda e forró) com os “universais” reggae, rap e rock. Há alguns anos, já morando em São Paulo, teve uma de suas músicas, “Bicho do Mato”, retirada do disco “Receita de Poesia”, incluída em novelas de tv, o que lhe deu projeção. Ao longo de carreira, Arleno já dividiu palco com nomes como Elba Ramalho, Belchior, Dominguinhos, Zé Ramalho, Zé Geraldo e Alceu Valença entre outros.


Se vc gostou adquiri o original, valorize a obra do artista.
Download
TERRA BRASILIS

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

JOÃO PAULO AMARAL E TRIO - VIOLA BRASILEIRA

Pesquisando a viola caipira há anos, João Paulo Amaral é violeiro, arranjador e compositor com trajetória musical no país e em Festivais e palcos de Portugal, Espanha, México e Inglaterra.
Pioneiro ao defender o primeiro Mestrado em Música sobre a Viola caipira no país, pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP, 2008), onde realizou pesquisa sobre Tião Carreiro, leciona o instrumento na Emesp Tom Jobim.
Autor do método “Viola Caipira – arranjos instrumentais de musicas tradicionais”, Vencedor do Prêmio Ney Mesquita, ministra oficinas, masterclass, workshops e seminários de viola e música caipira por todo país, além de escrever artigos em Revistas especializadas e Anais de Congressos.
Amaral conquistou e foi indicado a importantes prêmios dentre os quais se destacam Indicação ao Prêmio Rival-BR categoria Atitude, com CD Orquestra Filarmônica de Violas (Zabumba, 2005), Petrobrás; Festivais nacionais (Voa Viola, Rumos Itaucultural, Projeto Pixinguinha); Medalha Carlos Gomes 2002 (Mérito por serviços prestados à comunidade pelo trabalho com a Oficina de Viola Caipira, hoje Orquestra Filarmônica de Violas), Prefeitura Municipal de Campinas; Primeiro lugar na Categoria Instrumental do Festival de Música de Poços de Caldas (MG, 2002) com sua composição “Sete Luas” para viola solo, Prefeitura de Poços de Caldas; Primeiro lugar na categoria Melhor Arranjo no Festival de Música de Poços de Caldas (MG, 2002) com sua composição “Suíte Carapiana” para trio de violas caipiras (Trio Carapiá), Prefeitura de Poços de Caldas.
Integrante e arranjador de grupos como Conversa Ribeira, Orquestra Filarmônica de Violas e Trio Carapiá, Amaral participou de mais de dez CDs, além de trabalhar com nomes como Renato Teixeira, Robertinho Silva, Natan Marques, Juliana Amaral, Luiz Felipe Gama e Ana Luiza, Guinga, Renato Braz, Mônica Salmaso, Ivan Vilela, Paulo Freire, Ricardo Herz entre outros.
Ao lado dos músicos Alberto Luccas (contrabaixo acústico) e Cléber Almeida (bateria e percussão), em 2010 o violeiro lançou o CD “Viola Brasileira – João Paulo Amaral Trio” (Cooperativa/Tratore), disco pré-selecionado no 22º Prêmio da Música Brasileira e elogiado por nomes como Paulo Bellinati.
Além do João Paulo Amaral Trio, do Conversa Ribeira e da Orquestra Filarmônica de Violas, atualmente o músico se dedica a seu trabalho solo e a outros projetos musicais.
João Paulo Amaral é professor do Curso Superior de Música (Bacharelado) da Faculdade Cantareira.
www.joaopauloamaral.com.br

Se vc gostou adquiri o original, valorize a obra do artista.
Dowmload
TERRA BRASILIS

domingo, 24 de setembro de 2017

MARIA BETHANIA - (EXCLUS. TERRA BRASILIS)

Simplesmente uma diva da musica brasileira, não é necessário nenhum comentário.
Bom, mais uma exclusividade Terra Brasilis uma seleção escolhida a dedo de canções mostrando uma Bethânia mais cancioneira, mais raiz .
Destaque para "Estrela" do saudoso  poeta Vander Lee.

Download
TERRA BRASILIS

CANTIGAS PARA O MESTRE ELOMAR (EXCL. TERRA BRASILIS)

Quando se fala em Elomar até as águas do rio gavião para.
Tive o grande prazer de conhecer a região de Anagé, o próprio rio gavião que hoje virou represa o habitat natural do menestrel.
Para entender Elomar fica mais claro quando vc conhece o lugar.
Com exclusividade Terra Brasilis estou postando uma seleção de cantigas de Elomar na voz de outros cantadores, como Tadeu franco, Tau Brasil, Zeca Baleiro, Ana salvagni entre outros.
Espero que agrada a todos e já estou editando o segundo.

Download
TERRA BRASILIS

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

JOÃO PAULO AMARAL E ALMIR CÔRTES - CORDAL (EXCL. T B )

Ouvir Cordal é viajar por todos os recantos deste país e redescobrir em cada um deles a beleza, a sofisticação, a simplicidade e a grandeza de sua diversidade musical. Cordas dedilhadas como quem lapida um diamante bruto para oferecê-lo em todo o esplendor de suas múltiplas faces.


Os músicos Almir Côrtes e João Paulo Amaral lançou em 2014 primeiro álbum juntos, intitulado "Cordal". Os instrumentistas individualmente já mostraram suas dedilhadas na viola caipira, bandolim, violão e guitarra, em shows nacionais e em palcos de países como Estados Unidos, México, Portugal, Espanha, Itália, Inglaterra e França. 


João Paulo
Pesquisando a viola caipira há mais de quinze anos, e com experiência nacional e em palcos de Portugal, Espanha, México, Inglaterra e Estados Unidos, o músico, arranjador e compositor João Paulo Amaral se destaca por propor novos caminhos musicais para a centenária viola caipira. Sobre seu trabalho, escreveram Paulo Bellinati “…além das cores e matizes regionais bem delineados, descobrimos uma viola do futuro”, Ivan Vilela “… só pelo tanto que toca já deixou seu nome impresso na história da viola” e Ulisses Rocha “A música pode ser bonita, difícil, interessante, e muitas outras coisas. Nas mãos do João Paulo, a música é arte!!”.
Seu contato com a música caipira originou-se quando, ainda criança, acompanhava seu pai nas cantorias em Mogi das Cruzes – SP, sua cidade natal, e nas pescarias de férias no sul Minas Gerais. Pós-graduado pela Unicamp, foi pioneiro ao defender o primeiro mestrado em música sobre a viola caipira do país, com pesquisa sobre o lendário violeiro Tião Carreiro. É professor de viola caipira da Faculdade Cantareira(desde 2009) e EMESP Tom Jobim (desde 2005), autor do método de viola utilizado no projeto Guri e do livro/CD“Viola Caipira – arranjos instrumentais de musicas tradicionais”, vencedor do prêmio Ney Mesquita. Desde 2002, participa de festivais e ministra oficinas, workshops e seminários de viola e música caipira por todo país e exterior. Em 2010, com seu trio formado por Alberto Luccas (baixo acústico) e Cléber Almeida (bateria e percussão), lançou o CD “Viola Brasileira”(Cooperativa/Tratore) disco pré-selecionado no 22o Prêmio da Música Brasileira e elogiado pela crítica. Em 2014, lançou o CD “Cordal” em duo com o músico Almir Côrtes combinando viola caipira, violão, bandolim e guitarra, projeto apresentado em turnê em abril de 2015 nos EUA e lançado no Instrumental Sesc Brasil. Em 2016 participou e assinou os arranjos e direção musical de “Açoite”, 4o CD de sua irmã, a cantora Juliana Amaral, com quem trabalha desde 2003. Integrante de importantes grupos no cenário da viola, como o Conversa Ribeira, Trio Carapiá, e Orquestra Filarmônica de Violas (grupo sob sua direção desde 2011), participou de mais de vinte CDs, além de trabalhar com nomes como Renato Teixeira, Robertinho Silva, Natan Marques, Guinga, Luis Felipe Gama e Ana Luiza, Mônica Salmaso, Renato Braz, Toninho Ferragutti, Nailor Proveta, Ivan Vilela, Neymar Dias, Paulo Freire, Ricardo Herz, Paulo Braga, Weber Lopes, Ricardo Matsuda, Isa Taube, Consuelo de Paula, Jean Garfunkel, Wolf Borges, Harvey Wainapel, Jovino Santos Neto, Fábio Presgrave, Rodrigo Digão Braz, Gustavo Bugni, Orquestra Municipal de Jundiaí, Orquestra Sinfônica de Sorocaba, entre outros.

Almir Côrtes
Almir Côrtes atua como músico de cordas dedilhadas (bandolim, violão, guitarra e viola caipira), compositor e pesquisador. Desde 2010 vem apresentando-se regularmente nos Estados Unidos, com especial destaque para sua apresentação como representante do Brasil no Latin Music and Culture Celebration (evento promovido pela Berklee College of Music) e sua atuação como instrutor em 2011 e 2012 no Mandolin Symposium. Natural de Santo Antônio de Jesus, no Recôncavo Baiano, é Graduado em violão pela UFBA, Mestre (dissertação sobre o estilo de Jacob do Bandolim) e Doutor (tese sobre improvisão idiomática em música brasileira) na área de Performance Musical pelo Instituto de Artes da UNICAMP. Realizou estágio como pesquisador/artista visitante no Departamento de Jazz da Jacob's School of Music na Indiana University (2010/PDEECAPES), e na College of Creative Arts da San Francisco State University (2013/BEPEFAPESP). Além de seu trabalho solo, é integrante da Orquestra Filarmônica de Violas. Em 2005, conquistou o prêmio de melhor música instrumental no III Festival de Música Educadora FM / Bahia com a composição Freveando. Possui 5 CDs lançados. Apresentou-se nas principais capitais brasileiras, nos Estados Unidos, Cuba, Argentina, Paraguai e na Europa (Itália, França e Espanha). Entre suas apresentações de maior destaque estão o Sesc Brasil Instrumental, XIV Festival de Música Instrumental da Bahia, Clube do Choro de Brasília, Lotus World Music & Arts festival, Clube do Choro de Paris e a Virada Cultural Paulista. Ao longo de sua trajetória dividiu o palco com artistas como Nailor Proveta, Armandinho Macêdo, Silvério Pontes, David Grisman, Mike Marshall, Izaías Bueno, Howard Alden, Luiz Guelo, Harvey Wainapel, Alexandre Ribeiro, Ivan Vilela, Daniela Spielmann, Ronaldo Saggiorato e Fernando Brandão. Atualmente é Professor Adjunto de Análise da Música Popular, Arranjo e Prática de Conjunto do Instituto Villa-Lobos da UNIRIO.
Fonte
 http://www2.unirio.br/http://www.joaopauloamaral.com.br/

Se vc gostou adquiri o original, valorize a obra do artista
Download